Um homem caminha pela cidade, ele parece estar desnorteado, ignorando a todos a sua volta ele continua seu caminho ate o cemitério local, ele se ajoelha na entrada do cemitério e profere algumas palavras em uma língua profana, em sua maioria inaudíveis, porem a seguinte frase pode ser entendida; "nuadasf as gioy jyazais Terizz'dun yxlxabx dtaz zulyapalx". O chão estremece e o homem agora com um sorriso insano vibra; "SIIM, SIIIM", "receba o meu sacrifício mestre", ele retira uma adaga de suas vestes, e dilacera a própria garganta, seu sangue banha aquele local agora profanado, onde nem mesmo os mortos poderão descansar.